Amor de Cartola e Dona Zica será contado pela Unidos do Jacarezinho

Amor de Cartola e Dona Zica será contado pela Unidos do Jacarezinho

Cartola e Dona Zica estarão em evidência na Série B em 2018. Depois da Lins Imperial anunciar o bar Zicartola, de propriedade dos dois, como enredo, a Unidos do Jacarezinha terá como tema uma carta de amor do poeta para sua eterna musa. O texto do escritor e historiador Vinícius Natal foi inspirado em manuscritos deixados pelo compositor e aprovado pela secretária de Cultura do Município do Rio de Janeiro, Nilcemar Nogueira, neta do casal.

Aspecto social

O desenvolvimento do enredo, batizado O cântico do poeta pelo amor de Euzébia será do carnavalesco Eduardo Gonçalves. Ele fará seu 11º trabalho no Jacarezinho e destaca um aspecto social do tema para o reduto da escola. “Nossa comunidade está num bairro que é considerado o segundo maior da América Latina em população e frequentemente os moradores ocupam as páginas policiais dos jornais diários. Contar uma história de amor legítima é a forma mais atual de se levar esperança e alegria para um povo carente de histórias reais desses sentimentos.”

A escola explica que as fantasias e os cenários alegóricos irão retratar a paixão de um poeta por sua musa e amada, esposa que foi muitas vezes inspiração para suas canções. A ideia é apresentar na Estrada Intendente Magalhães um carnaval onde todos possam acreditar que é possível fazer com que o amor puro e verdadeiro seja uma grande fonte de energia positiva e que só faça o bem para todas as pessoas nesse dia.

Sinopse

O Cântico do poeta pelo amor de Euzébia

 

Era como se eu pudesse parar o tempo.

O mundo, moinho por seu eixo, girava quase nulo.

Eu, ao altar, mudo. Você, em renda branca, lúcida, mas muito rosa do meu jardim.

Tão rosa que desacatou as azaleias para reinar. Calou os espinhos para embelezar.

Esvaziou os copos de leite. Tu reinavas.

Eu, ali, criança, cirandava você.

Nossa infância das bolas de gude, das pipas. Das latas d'água.

Das lavadeiras. Das cantigas de roda.

Naquele tempo, ainda éramos dois.

E eu, passarinho, passarinhava você.

A alvorada mais bela e tenra.

Por que não um ninho, mesmo que dentro de nós?

Por que não um bar – ra -co para remarmos sós?

 

O tempo passou.

 

Eu, sonhador, sempre sonhava você.

Mesmo sem te ver, sentia o conforto e a cumplicidade.

Fiz-me espinho ferido. Duvidei. Chorei.

Acovardei- me. Precisava de você… precisava de você…

Que chegou com o velho jeito manso.

Secando o pranto. Luz e acalanto.

Enrubesci. Vivi.

Cresci. Cedi.

Foi você quem tirou as nuvens da estrada.

Pediu licença para cantarmos em um novo tom.

Sonhamos e amamos juntos nossa Mangueira.

Fizemos, ali, uma linda família.

O Zicartola foi nosso enlace para o mundo.

Doces sabores que brotavam dos sons.

Sons que ecoavam a luta vermelha.

Vermelho que explodia de amor em nosso cúmplice olhar.

 

– Quer casar comigo?

 

Sim, e houve festança demais.

Chuva de arroz demais.

Samba, miudinho, na sola do sapato, demais.

Foi um ato. De amor, um ato.

Depois, saímos velozes dali para um lugar que nem nós saberíamos.

Éramos, enfim, um só.

A sua doçura e liderança.

Nossa poesia e canção.

Hoje o mundo é seu, Zica.

E eu sou seu, alegre pequena.

Enfim, o mundo é nosso.

Agora, dou-te um beijo.

 

Cartola

 

Texto e pesquisa: Vinícius Natal

Argumento de enredo: Eduardo Gonçalves e Vinícius Natal

Carnavalesco: Eduardo Gonçalves

Curta facebook.com.br/revistacarnaval.
Siga twitter.com/revistacarnaval.
Acesse instagram.com/revistacarnaval.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *