Solidariedade é o enredo da Imperador do Ipiranga

Solidariedade é o enredo da Imperador do Ipiranga

Decidido a acabar com o jejum de oito anos longe do Grupo Especial de São Paulo, o Imperador do Ipiranga escolheu o enredo para o Carnaval 2018 e divulgou a sinopse. A escola apresentará no Anhembi Solidariedade. A explícita magia de sonhar, amar e viver em prol do bem, do carnavalesco Eduardo Caetano, com pesquisa de Ronny Potolsk, na disputa do Grupo de Acesso.

A Imperador do Ipiranga também estipulou para 22 de julho a inscrição dos sambas para o concurso da escola. Os compositores devem entregar dois CDs com a obra gravada e 20 cópias da letra da obra. No dia 29, haverá a apresentação e a primeira eliminatória. A grande final acontecerá no dia 12 de agosto.

Sinopse

Prefácio

Qual o preço da solidariedade…

Quanto custa ser do bem…

De uma forma alegre e com bastante humor, a Imperador do Ipiranga trará para avenida um dos gestos mais nobres que a humanidade pode comprovar: “A solidariedade”.

Acreditando no respeito pela dignidade humana desde seus primórdios, passaremos por pessoas e momentos que mudaram a história, muitas vezes como lição que devemos praticar em prol do bem.

Surgem momentos bíblicos.

A fé e o amor.

E na generosidade do social.

O conforto encontrou.

É fazendo o bem.

Que se constrói também.

Se doando sempre.

Sem olhar a quem.

E desta forma faremos da vida uma tela, onde somos todos pintores, e nossa pintura será a mais bela construindo com pilares que a minha comunidade sustentou. Pode aplaudir…A Imperador chegou.

Parte 1

Desde o início de sua existência, o homem aplica a solidariedade

Pesquisas rudimentares.

Mostraram algo genial.

Que a vida na pré-história.

Era bem mais social.

O homem conseguiu vencer as barreiras impostas pela natureza e prosseguir com o desenvolvimento da humanidade na terra.

O ser humano foi aos poucos desenvolvendo soluções práticas para os problemas do dia a dia.

Habitavam cavernas, dividiam o espaço em família. Era uma cooperação mutua onde a solidariedade visava o propósito do grupo.

Viviam da caça de animais, pesca e coleta de frutas e raízes. Usavam instrumentos e ferramentas feitos à partir de pedaços de ossos e pedras.

Os bens de produção eram de uso e propriedades coletivas assim como o alimento que era dividido entre todos.

Eram solidários com idosos e doentes. Através da arte rupestre o homem primitivo trocava ideias e demonstrava sentimentos e preocupações cotidianas, e nas novas descobertas entender que o caminho os fortaleceu.

Parte 2

Afinal, de onde vem a solidariedade?

De tantos conceitos que temos ao longo da humanidade, este é um que surgiu em tempos antigos de nossa história. Diversas interpretações podem levar a origem da solidariedade.

Os registros mais antigos apontam o conceito de solidariedade na época do Império Romano (conhecido como o direito romano), onde já definiam o direito de igualdade de todos perante Deus, colocando-se ao lado do povo aplicando a solidariedade.

Outro ponto que sempre moveu a humanidade a partir de então sobre a solidariedade, em paralelo, foi a fé. Diversos relatos da bíblia remontam a história da humanidade com passagens reflexivas deste conceito. A fé, baseada em Deus e elementos que cercam as crenças sempre foi um pilar sólido direcionado para a solidariedade.

Fazer o bem para estar em paz e de bem com seu Deus foi o que espalhou este conceito de forma objetiva e cristalina. Além disso, a bíblia utiliza várias palavras relacionadas à solidariedade: misericórdia, afeto, compaixão, amor, etc.

Dentre diversos registros, Jesus de Nazaré foi o homem mais solidário na história da humanidade. Sua forma de agir marcou e marca até hoje as pessoas para a orientação solidária de sempre pensar no próximo.

O amor e compaixão ao próximo fez de Jesus o grande ator solidário de nossa história. Fatos como a multiplicação de pães e peixes para alimentar o povo mostram que a solidariedade e a caridade são práticas do amor real, amor este que permearam no decorrer dos anos, séculos e milênios.

Conceitos, registros e atos, como enfrentar o mal e poder aplicar solidariedade?

A fé mudou a visão de solidariedade. E por isso, não importa a religião que o próximo tenha.

O conceito pode ser aplicado em qualquer uma não importando seu Deus ou crença. O que importa é a fé em fazer o bem, ter o próximo como seu verdadeiro irmão. Cristãos, judeus, espíritas, budistas, evangélicos…todos tem a mesma crença: a solidariedade mútua.

Força, luta.

Garra e determinação.

Olhar para o amigo e estender-lhe a mão.

É a solidariedade, sem barreiras ou preconceito.

Não importa a cor da pele, pois a mesma não diferencia de ser solidário.

A pessoa especial, um pouco de atenção.

A opção sexual respeito e compreensão.

Por que a vida é tão rápida e passageira, quando olhamos para trás, estamos na terceira idade e lá se foi a vida inteira. A solidariedade consiste na forma como se trata as pessoas e seres vivos no dia a dia com respeito, educação e dignidade.

Parte 3

Ao longo de nossa história encontramos a solidariedade em questões sociais, em grandes ícones ou ações da humanidade. Figuras históricas, pessoas, personagens e instituições que mostraram em ações a solidariedade numa verdadeira viagem pelo tempo cronológico, mostrando que não existem fronteiras para colocar em prática o conceito, levando ao mundo mais momentos de solidariedade pensando em dar apoio ao próximo.

Mais afinal, quais atos mais são solidários?

Talvez nos tempos bíblicos isso poderia ser mais fácil identificar…Então viajaremos no tempo buscando heróis da humanidade, destacando alguns ícones da solidariedade.

Considerando o “pai” da solidariedade e ciência social, Émile Durkheim influenciado pelo positivismo, dedicou sua trajetória intelectual a elaborar uma ciência que possibilitasse o entendimento dos comportamentos coletivos. Sua grande preocupação era explicar os elementos capazes de manter coesa a nova sociedade que ia se configurando após a Revolução Industrial e a Revolução Francesa. Uma sociedade como a nossa, em que as mudanças são rápidas e as atividades de trabalhos são muito variadas, a unidade social é dada pelo que ele denomina solidariedade orgânica.

A guerra tem dois vieses: a destruição, e neste surge sempre ações solidárias. Sempre há personagens que mostram que a consciência humana, em plenitude de pureza e sentimentalismo, move o ser humano no caminho do bem. Oskar Shindler é um exemplo disso. Um então membro nazista que se transforma mentalmente num anjo salvador de 1200 judeus durante a II Guerra Mundial, sendo solidário e abdicando de todos os seus ganhos e trunfos pessoais para salvá-los da morte.

Mahatma Gandhi foi um líder pacifista indiano. Principal personalidade da independência da Índia, então colônia britânica. Ganhou destaque na luta contra os ingleses por meio de seu projeto não violência. Além de sua luta pela independência da índia, também ficou conhecido por seus pensamentos e sua filosofia. Gandhi mostra que se pode revolucionar sem uso de violência, sendo solidário a causas que nos rodeiam de forma pacífica.

Outro exemplo significativo de conflitos aconteceu na África do Sul que sofria com o regime do Apartheid (legislação que segregava os negros do país). Mas um líder foi solidário a tal ponto de abdicar sua vida, condenado em 1964 à prisão perpétua, foi libertado em 1990, depois de grande pressão internacional. Nelson Mandela, um verdadeiro ícone na luta da repressão racial, que provou que solidariedade pode ser feita quando se quer.

Na literatura ou dramaturgia vários personagens se destacam. Os Três Mosqueteiros, um romance histórico escrito pelo francês Alexandre Dumas, conta a histórica do jovem D´Artagnan que pretende entrar para a companhia dos Mosqueteiros do Rei. Em uma das três versões, os Mosqueteiros são solidários para com os fracos e oprimidos, levantando a bandeira da igualdade e solidariedade tendo como lema “Um por todos e todos por um”.

Um dos pilares atuais, a medicina, é levada a todos cantos do mundo onde realmente se precisa.

Um exemplo disso é o Movimento Internacional da Cruz Vermelha de forma neutra e imparcial, não vinculado a qualquer estado, presente em aproximadamente 97 milhões de voluntários mundialmente, em atuação em situações de conflito. No mesmo segmento solidário o Movimento Médicos sem Fronteiras que presta atendimento de saúde em regiões de miséria, fome, tragédias entre outras. Vale citar, que ambas recebem doações anônimas para apoio, além de atuação voluntárias de médicos e pessoas em geral.

Martin Luther King foi um pastor protestante e ativista político norte-americano. Lutou contra a discriminação racial e tornou-se um dos mais importantes lideres dos movimentos pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos e recebeu o Prêmio Nobel da Paz de 1964. Mostrou que o bem e solidariedade entre negros e brancos era o caminho civil norte-americano.

Religiosa Indiana de origem albanesa, Madre Teresa de Calcutá, foi vencedora do Prêmio Nobel da Paz de 1979 pelo trabalho de solidariedade para com os pobres e doentes, e foi chamada em vida de “santa dos desamparados”. É nomeada pelo Papa João Paulo II “Embaixadora do Papa em todas as nações.

Fatos mostrados e personificados mostram que podemos derrubar as fronteiras do mal e físicas.

Mostram que o planeta pode usar exemplos como estes para seguir adiante e praticar solidariedade, alastrando boas ações e pensando sempre no próximo. Um único planeta, livre de conflitos, com paz para se proliferar a verdadeira solidariedade humana.

Parte 4

Para convencê-los que é possível ser solidário, A Imperador do Ipiranga vai mostrar recentes exemplos em nosso país de atos que encorajam o brasileiro a manter o coração “aquecido e cheio de solidariedade”.

O brasileiro é assim: solidário por natureza. Um povo que se une, sente e reage. É um povo que sente na pele as emoções e sabe da necessidade de ajudar o próximo.

O sangue doado em prol da solidariedade é usado para assegurar um direito primordial, o direito a vida. A atitude em doar sangue é a esperança de muitos pacientes que precisam de sangue para continuar vivendo. Cada doador pode salvar até quatro vidas, esse deve ser um motivo de alegria para quem doa sangue e um incentivo para que gesto tão grandioso venha a tornar-se um hábito, o de salvar vidas. A mesma situação vale para doação de órgãos, que pode salvar ou dar uma qualidade de vida ao paciente. São formas solidárias que fazem a diferença entre a vida e a morte.

Se o rompimento da Barragem do Fundão, em Mariana, em 5 de novembro de 2015, é a maior tragédia socioambiental da história brasileira. A onda de doações vindas de todas as partes do país, que chegou diariamente à cidade histórica também foi impressionante, deixando sem ação as autoridades do município encarregadas de administrar o imenso volume de objetos e alimentos doados.

A tragédia com o voo da Chapecoense despertou uma onda de solidariedade ao redor do mundo. Pessoas, instituições e governos se uniram em prol da solidariedade em forma de manifestações ou mesmo apoios concretos. O símbolo disto foram as ações do povo colombiano em prol do clube a das vítimas, mostrando que solidariedade é única no mundo todo.

Diversas figuras e entidades nacionais, marcam o país em prol da solidariedade.

Campanhas televisivas.

Envolvem a sociedade.

Mostrando que vale a pena.

A solidariedade.

Ayrton, Teleton.

Graac, LBV.

E o maior de todos, não podemos esquecer.

Gesto humanitário, coração sensacional.

Chico Xavier um ícone nacional.

Confortou corações, quem partiu se fez presente.

Fortalecendo o caminho e consolando muita gente.

O hoje e o amanhã. O povo unido em prol de um mundo igualitário e a esperança de colher o bem solidário no futuro. É assim que a Imperador do Ipiranga quer levar sua mensagem ao mundo inteiro. Gente da gente Imperador, escola valente. Não adianta mostrar um caminho sem prover futuro. Ações do bem sempre devem ser mantidos e induzidos desde pequenos. Nossas crianças são a esperança para um mundo solidário e de bem comum. A criança com sua pureza e sensibilidade é sempre um sopro de esperança em nossos caminhos.

A base do futuro é o presente. O povo unido deve lutar por igualdade, justiça social e um mundo equilibrado mostrando ao futuro que o caminho está sendo construído.

O povo através da figura tradicional do trabalhador, luta em seu dia a dia para dar sobrevida a um mundo no caminho do bem pois só assim a solidariedade irá permear em todos.

E como diz uma velha canção…

“Fé na vida

Fé no homem

Fé no que virá

Nós podemos tudo

Nós podemos mais

Vamos lá fazer o que será…”

Pesquisa: Ronny Potolsk

Carnavalesco: Eduardo Caetano

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*