20 de fevereiro de 2024
DestaqueGrupo especialRio Carnaval

A Imperatriz fez seu último ensaio do ano com o povo cantando nas ruas ao som do samba e da bateria.

No último ensaio na Rua Euclides Faria, a Imperatriz Leopoldinense demonstrou vigor e entusiasmo. Apesar do calor, os componentes evoluíram de forma descontraída e alegre, destacando-se o desempenho do samba-enredo, elogiado devido à performance do intérprete principal Pitty de Menezes e da bateria de Mestre Lolo. Antes do ensaio, João Drumond, filho da presidente Catia Drumond, expressou gratidão pelo título conquistado e incentivou a busca pelo bicampeonato no próximo ano.

A comissão de frente, liderada pelo coreógrafo Marcelo Misailidis, apresentou uma coreografia inspirada na cultura cigana, marcando-se por movimentos acrobáticos e efeitos visuais com as saias longas dos bailarinos. O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira, Phelipe Lemos e Rafaela Teodoro, demonstrou grande entrosamento, apresentando movimentos fortes e rápidos, enquanto a comunidade da escola cantou vigorosamente durante todo o ensaio, destacando os refrões marcantes do samba-enredo.

A harmonia da escola se mostrou sólida, sem espaços vazios entre as alas, todas exibindo alegria e energia para defender seus quesitos. Além disso, algumas alas usaram adereços e realizaram coreografias com adereços como leques e balões, proporcionando um visual ainda mais chamativo. O apoio entusiástico da comunidade durante o ensaio indica um potencial impacto positivo no desfile oficial.

A Imperatriz Leopoldinense vem mostrando evolução em seu estilo de desfile, sendo mais solta e alegre, conforme destaca o diretor de carnaval, Mauro Amorim. O samba-enredo, inicialmente alvo de desconfiança, agora é bem aceito e se destaca pela tradução acertada dos aspectos da cultura cigana, com uma melodia leve e variada, impulsionada pela atuação marcante de Pitty de Menezes e pela presença de um violino no carro de som.

Pitty de Menezes, em entrevista, elogiou o entrosamento com sua equipe e a comunidade, prevendo que o samba terá grande impacto na Sapucaí, sendo mais fácil e alegre de cantar.

A bateria “Swing da Leopoldina”, liderada por Mestre Lolo, teve um desempenho destacado, mantendo um ritmo perfeito para o canto e a diversão da escola, com momentos especialmente marcantes durante as bossas, incluindo um solo de violino, evidenciando o entusiasmo da comunidade pelo possível bicampeonato.